Faux - amis

Ao estudarmos uma língua latina, muitas vezes temos a impressão de que temos uma boa compreensão oral e escrita desde o início. Isso é verdade se pensarmos, por exemplo, que um francês pode passar as férias de verão indo ao “club” e se refrescar na “piscine”. Agora imaginem o nosso amigo no inverno, à beira do Sena, tomando um “café” ou um “chocolat”. 

Nenhum mistério até aqui, inclusive porque nós mesmos usamos muitas palavras do francês. Assim, junto com o “café”, podemos saborear um delicioso “croissant”. 

Mas atenção! Aqui temos uma faca de dois gumes: a mesma proximidade que facilita a compreensão, pode criar armadilhas. E eis que surgem os falsos amigos ao longo da aprendizagem, o que os franceses chamam de “faux-amis”.

Voltemos ao nosso amigo, que se aquece com um delicioso “chocolat”, em um “café” à beira do Sena. Esse “chocolat” será servido em uma “tasse” de porcelana branca sobre um pires. Como ele está acompanhado, o seu colega pedirá vinho, que será servido em um “verre”. Os dois estão planejando as próximas férias de verão, e vão apenas “discuter” possíveis destinos e se, no meio do caminho, discordarem e acabarem discutindo, eles vão “se disputer”.

Mas isso não vai acontecer, eles vão continuar a “discuter” calmamente, até porque numa briga em café, a “tasse de chocolat” e o “verre de vin” podem cair ao chão e se “casser” em mil pedaços. Seria uma lástima. Sim, porque em francês, as coisas podem se “casser”, mas se alguém quiser sair para uma temporada de caça, terá que “chasser”.

Bem, mas não é o caso, ninguém vai “chasser”, até porque se eles forem passar as férias no campo, aproveitarão para descansar, curtir a natureza e tocar “guitarre”, talvez Carla Bruni. Mas não Guns N’ Roses, isso seria impossível com uma simples “guitarre”. Nesse caso, precisariam de uma “guitarre électrique”, que eles preferem deixar para a cidade grande. No campo, bom mesmo é uma apreciar música suave ou “entendre” o canto dos passarinhos. Não é difícil de “comprendre”, não é mesmo?

Se continuarmos esta história, veremos muitos “faux amis”, porque eles estão em todos os lugares, acreditem: nas páginas de um livro de algum escritor francês, em um documentário em algum canal da TV a cabo, em qualquer aeroporto de um país francófono. 

No entanto, eles não assustam. Eles são falsos quando não os conhecemos, e podem virar nossos verdadeiros amigos quando estudamos francês na Aliança Francesa.