As melhores escolas de engenharia da França

A formação dos engenheiros, na França, possui um peso grande academicamente, compreendendo uma instituição a nível nacional que é responsável pela administração dos cursos, a CTI (Comission des Titres d’Ingenieur). Dividida em fases, o Lycée de engenheiro prepara completamente o estudante para as diferentes necessidades. O ciclo dos engenheiros é composto por uma base em comum, durante o segundo ano, é feita a experimentação das diferentes áreas de engenharia e juntamente ao conhecimento das áreas profissionais possíveis que poderá ser dado o foco, entre acadêmico e corporativo. Por fim, a última fase, o terceiro ano, é realizado a transição para a vida profissional, na qual o estudante realiza os estágios obrigatórios.

Cotadas como as 3 melhores Grand-Écoles de engenharia, A Polytechnique, a Mines Paristech e a CentraleSupelec possuem um grande impacto na sociedade atual francesa e uma estrutura própria de ensino. 

A Polytechnique, uma universidade secular e cotada como a melhor instituição de ensino francesa para engenharia possui uma metodologia prática e teórica que exige ainda mais do aluno durante 4 anos. Possuindo 3 estágios em diferentes áreas (forças armadas/organismo civil, em uma empresa e um de pesquisa), como dito pela Instituição “uma abordagem científica pluridisciplinar, com proximidade com a pesquisa” evidenciado por possuir um contato com questões sociais e humanas. Outro ponto que também é abordado, é com relação a inovações do mercado no qual os alunos são expostos ao empreendedorismo e gestão administrativa fazendo com que os alunos tenham oportunidades em quase todos os setores sejam possíveis de se trabalhar como aparece no gráfico abaixo:

A Mines Tech Paris, outra instituição secular, fundadora do grupo PARISTECH, um grupo das escolas mais bem prestigiadas nos ramos da tecnologia e da ciência. Agrupando um total de 12 Grand Écoles, o Paristech agrupa um dos melhores polos de pesquisa e ensino superior de altíssima qualidade. De acordo com a universidade seus campos de trabalho são “ Seus domínios de pesquisa se estendem de energéticos a materiais, passando pela matemática aplicada, às geociências, ciências econômicas e sociais. O curso de engenharia desenvolve igualmente a criação de cadeiras de ensino e pesquisa sobre os temas emergentes.”  Seus domínios sobre as áreas os proporcionaram dois nobel, um de economia e um de física, entre outras premiações.

Reformulado em 2018, a CentraleSupelec conta com uma formação diferenciada do curso de engenharia. Com uma estrutura diferenciada, trazendo uma visão de um engenheiro-administrador, a instituição identificou uma necessidade do mercado em possuir pessoas capazes de realizar trabalhos diversos e ainda sim de alta qualidade. A instituição faz parte de uma rede de 176 universidades parceiras em 45 países, 80 acordos de dupla titulação, 30% de seus estudantes são estrangeiros e de 24% de seus professore também estrangeiros, proporcionando uma experiência internacional muito forte, possuindo a possibilidade de ter contato com quase todas as partes do mundo.